Islã é a palavra que dá nome à religião, e tem origem no termo Islam, do idioma árabe, que significa submissão.

O adepto do islamismo é conhecido como muçulmano/a, e esse termo também tem origem no árabe, vem de Muslim, que significa submisso.

Portanto, ser muçulmano significa ser submisso a Deus, ou a Allah.

Por fim, nessa breve introdução, vale dizer que o islamismo, assim como o cristianismo e o judaísmo, é uma religião monoteísta, ou seja, acreditam na existência de apenas um deus.

E que, além de ser o mesmo Deus para as 3 religiões, todas elas vieram do mesmo patriarca, Abraão.

Sendo que o Islam surgiu na Arábia Saudita 6 séculos depois da vinda de Cristo.

 


O Islam tem 5 pilares

 

1 – Acreditar que Deus é o maior e que portanto não há nada e nem ninguém acima Dele (La Ilaha Ilalá) e que Maomé é o Seu Mensageiro (Muhammad Rassul Allah)

2 – Salat, orar 5 vezes por dia

3 – Ramadan, cumprir o jejum no mês sagrado

4 – Zakat (doação de 2,5% de seus lucros para as pessoas mais pobres)

5 – Hajj, peregrinação à Meca, pelo menos uma vez na vida

 


Mas o que é o Ramadan dos Muçulmanos?

 

 

Nós vamos nesse post falar especificamente sobre o Ramadan, mês sagrado dos muçulmanos e os benefícios dele para qualquer pessoa.

O Ramadan ocorre sempre no nono mês do calendário lunar e dura aproximadamente 4 semanas, sempre de uma lua nova até a seguinte.

O jejum é sempre do nascer do nascer até o por do sol.

Mas não é apenas jejum de alimentos.

É abster-se também de qualquer bebida, abster-se de ações que te desvirtuam, de palavras que ofendem ou difamam alguém, de fofocas, e até de pensamentos.

É também dedicar-se mais à leitura do alcorão, à oração e/ou à meditação, ou seja, um mês de introspecção e de adoração à Deus.

Portanto, o muçulmano consciente cumpre todas essas etapas descritas acima e, quando quebra o jejum, quebra também de forma consciente, comendo pouco, leve, sem exageros ou desperdícios.

Existe também para o muçulmano, o Shour, que é a hora em que acorda pra rezar e fazer a última refeição antes do amanhecer, geralmente por volta das 2h às 4ham.

Nesse mês, acredita-se que as Súplicas serão atendidas com mais veemência do que em outras épocas, até como recompensa do esforço que está sendo feito, e ocorre com frequência reuniões entre famílias, para fortalecer os laços.

Na prática, cada dia uma pessoa convida a outra e comunga-se a quebra do jejum juntos e assim vai até o último dia.

Até porque acredita-se também que Deus recompensa a cada pessoa que vc alimentar, já que é o mês da generosidade e da benção.

Seguindo o costume do profeta Maomé, seus seguidores quebram o jejum com tâmara.

O dia mais impactante pra mim sempre foi o Leila al Adr.

Ou Noite do Decreto, que acontece sempre nos últimos 10 dias do Ramadan, em que os fieis passam a noite toda de vigia, rezando na Mesquita.

Nesse dia acredita-se que realmente todas suas preces e súplicas serão atendidas.

Se você cumpriu corretamente com o jejum e demais regras, você poderá nesse dia sonhar com anjos, receber respostas ou ter premonições, enfim, é o dia mais sagrado e abençoado de todo o ano.

E sabe por quê?

Porque foi nessa noite, na Noite do Decreto (que varia entre o 25 ou 29 noite do Ramadan) em que o profeta recebeu a primeira revelação do Alcorão.

Por fim, quando acaba o Ramadan, no primeiro dia da lua nova, chega o tão esperado Eid el Fitr.

Nessa data, tão importante quando o Natal para os Cristãos, há a celebração de uma grande festa, com distribuição de alimentos aos pobres, troca de presentes entre os familiares e todo mundo usa roupa nova.

 


Onde está prescrito o Jejum para os Muçulmanos?

 

 

Surata Al Bacara (Versículo A Vaca)

183. Ó fiéis, está-vos prescrito o jejum, tal como foi prescrito a vossos antepassados, para que temais a Deus.

184. Jejuareis determinados dias; porém, quem de vós não cumprir jejum, por achar-se enfermo ou em viagem, jejuará, depois, o mesmo número de dias. Mas quem, só à custa de muito sacrifício consegue cumpri-lo, vier a quebrá-lo, redimir-se-á alimentando um necessitado; porém, quem se empenhar em fazer além do que for obrigatório, será melhor. Mas, se jejuardes, será preferível para vós, se quereis sabe-lo.

185. O mês do Ramadão foi o mês em que foi revelado o Alcorão, orientação para a humanidade e vidência de orientação e discernimento. Por conseguinte, quem de vós presenciar o novilúnio deste mês deverá jejuar; porém, quem se achar enfermo ou em viagem jejuará, depois, o mesmo número de dias. Deus vos deseja a comodidade e não a dificuldade, mas cumpri o número (de dias), e glorificai a Deus por ter-vos orientado, a fim de que (Lhe) agradeçais.

 

A Virtude do Jejum

 

  • (Bukhari, 1910 e Muslim, 760)

Quem jejuar durante o Ramadan com fé em Allah, cumprindo suas ordens e praticando ações virtuosas com cuidado para ser recompensado por Allah,

Ele o perdoará as faltas passadas, assim como o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse:

“Quem jejuar durante o Ramadan com fé e devoção Allah o perdoará em seus pecados anteriores”.

  • (Bukhari, 1850 e Muslim, 1151)

O jejuador sentirá felicidade pela recompensa e graça no momento de seu encontro com Allah, por razão de seu jejum.

O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse:

“O jejuador possui duas felicidades; uma no momento de romper o jejum e outra quando se encontra com seu Senhor” 

No Paraíso há uma porta chamada “bab ar-Rayian”, pela qual apenas os jejuadores entrarão.

  • (Bukhari, 1797 e Muslim, 1152)

O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse:

“Certamente no Paraíso há uma porta chamada ar-Rayian e, por ela, entrarão os jejuadores no Dia do Juízo Final, ninguém mais entra por ali.

Ser-lhes-á dito: ‘Onde estão os jejuadores?’, então, levantar-se-ão e não entrará ninguém além deles.

Quando eles passarem por ela, então ela se fechará e ninguém mais entrará por ali”.

  • (Bukhari, 1805 e Muslim, 1151).

Allah atribuiu a recompensa e o motivo da ação do jejum para Si mesmo.

Bem-aventurado seja aquele a quem Allah prometeu a recompensa de sua obra, pois Ele é Generoso, Magnânimo e Misericordioso.

O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse:

“Todas as obras do filho de Adan são para ele, com exceção do jejum, que é só para Mim e Eu sou Quem recompensa por ele”.

 


Ramadan ou o Jejum é indicado apenas para os Muçulmanos?

 Veja aqui algumas passagens Bíblicas sobre o jejum

 

  • Mateus 4,1-2

“Então Jesus foi levado pelo Espírito para o deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 Por quarenta dias e quarenta noites este e jejuando. Depois teve fome.”

 

  • Reis 19,8

(Elias) “Levantou-se, comeu e bebeu e, depois, sustentado por aquela comida, caminhou quarenta dias e quarenta noites até a montanha de Deus, o Horeb”.

 

  • Deuteronômio 9,9

(Moisés) “Quando subi ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do pacto que o Senhor fizera convosco, fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; não comi pão, nem bebi água.”(Deuteronômio 9,9) Bíblia Almeida.

 

  • Isaias  58: 6-12

“Se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita: então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio dia.

E o Senhor te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares secos, e fortificará teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam.”

 


Trechos do livro “Eterna Busca do Homem”, de YOGANANDA

“Tudo pode ser feito pelo poder mental. Eis por que Jesus pôde transformar pedras em pão.

Portanto, veja como é injusto, para a mente e para a onipotente força vital em seu interior, afirmar que não pode viver sem alimento.

Torne sua vida e seu corpo impermeáveis ao sofrimento. Vença a você mesmo.

No jejum prolongado, perceberá que tudo é mente.

Toda força e todo objeto no universo são produtos da Mente Divina, assim como todas as coisas que percebe em sonho são criações de sua própria mente.

Se você decidir  que o corpo é forte, não sentirá qualquer fraqueza; ao contrário, sentirá grande vigor.

A maioria das pessoas desconhece isso porque nunca experimentou.

A mente não revelará seus milagres enquanto você não a fizer trabalhar. E não trabalhará enquanto você continuar a depender cada vez mais de coisas materiais.

É por isso que suas maravilhas se escondem da visão comum.

Quando aprender, porém, a depender da mente, por meio do jejum, ela funcionará em tudo, vencendo a doença, criando prosperidade ou realizando a suprema meta da vida – encontrar Deus.”


Além disso, o  jejum de voz por exemplo, é de grande poder e muito utilizado em escolas de mistério/iniciáticas.

Escolhe-se um dia da semana para só falar se for para Deus, para os anjos ou mestres ascensos.

Nestas escolas, os adeptos chegam a ficar vários dias sem falar com ninguém.

Eles colocam um crachá no peito, com os dizeres: “estou em jejum de voz”, aí todos respeitam e ninguém fala com a pessoa.

Se for necessário se comunicar, ele o faz por meio da escrita.


Então, o jejum, como dito acima e também no próprio alcorão, é muito anterior ao Islam.

Ele foi praticado por Buda, 6 séculos antes da vinda de Jesus, quando então ele disse ter atingido o Nirvana.

Foi praticado por Cristo logo após seu batismo e pouco antes de iniciar seu ministério.

Por Francisco de Assis e por tantos outros profetas e grandes seres espiritualizados.

É também hoje em dia muito difundido por seus benefícios na saúde física e mental.

Sobre isso, e principalmente sobre os benefícios espirituais,  falei um pouquinho na LIVE com o sheikh Jihad que segue no video abaixo.

 


Conversa sobre o Jejum e a Espiritualidade,

com Sheikh Jihad

 

 

 


Texto: Dalila Barakat

Sites de Referência: New Muslim Guide, Historia do Mundo, Mundo Educação, Grande Fraternidade Branca

Imagens: Autoria desconhecida

Vídeo: Gravado com Sheikh Jihad no Instagram em 03/05/2020

 


Hajj, a Peregrinação à Meca


Muçulmano tem Páscoa?


Videos do Eid El Adha celebrado em família no Líbano em 2018


 

Curso sobre o Islam com o Sheikh Jihad Hammadeh


 

 

Comentários do Facebook

Um Comentário